Mês de junho! Mês do “grande pregador”
Salve Santo Antônio!

    Fernando de Bulhões (verdadeiro nome de Santo Antônio) nasceu em Lisboa em 15 de agosto de 1195, numa família de posses. Aos 15 anos entrou para um convento agostiniano, primeiro em Lisboa e depois em Coimbra, onde provavelmente se ordenou. Em 1220 trocou o nome para Antônio e ingressou na Ordem Franciscana, na esperança de, a exemplo dos mártires, pregar aos sarracenos no Marrocos. Embora batizado de Fernando, Antônio (“o propagador da verdade”) mudou seu nome ao se tornar frade, porque era isso o que o jovem português queria fazer: propagar a verdade de sua fé, difundir os Evangelhos e viver seu amor a Cristo em seu dia a dia. Antônio morreu na Itália no dia 13 de junho de 1231, aos 36 anos. O papa Gregório IX o canonizou apenas 11 meses depois de sua morte, e o chamou de “santo de todo mundo”, numa alusão à fama que ele tinha em vida. Se já foi célebre em seu tempo, hoje nem se fala. O protetor do Menino Jesus e das moças é amado em todo o Brasil. Como uma das Capelas mais antigas do município de Santos Dumont, figura a de Santo Antônio, localizada no povoado de Patrimônio dos Paivas. Consta que em 1896 foram doados pela família de Joaquim de Paiva 6 alqueires de terra, onde se estabeleceram as primeiras famílias. Este período é marcado, em toda Minas Gerais, por intensa religiosidade, não sendo diferente ali, pois estas famílias reuniam-se em um pequeno abrigo de pau a pique para rezarem o terço e fazer a via sacra. A Capela teve como primeiro coordenador o Senhor Sérgio Amaral, que cedia energia elétrica gerada por uma pequena usina em sua propriedade, para a Capela. No final de 1930 o Padre Adalberto Dobber escreveu, com base nos assentamentos paroquiais, sobre a história antiga da Paróquia de São Miguel e Almas. Nesses registros encontramos dados de todas as capelas existentes no município e o patrimônio de cada uma, patrimônio este “legalizado, escriturado e registrado, existindo os respectivos documentos de doação na sua íntegra em poder do Capitão Francisco de Sales Alves Pereira, irmão do último vigário falecido”. Sobre o patrimônio da Capela de Santo Antônio está registrado: “Capela de Santo Antônio situado no povoado chamado “Patrimônio dos Paivas”, com dois patrimônios a saber, no ano corrente de 1930: a) patrimônio de Santo Antônio: 7$600 rs. Sobre 1.600$ de quatro alqueires de terras...”. O primeiro Padre a dar assistência a esta comunidade foi o Padre José de Luca e segundo relatos o primeiro batizado foi realizado em 1943. Assentada em bases sólidas a Comunidade, em 3 de maio de 1907, funda a Conferência da Sociedade São Vicente de Paulo (SSVP) e hoje conta com todas as pastorais. É importante ressaltarmos a importância deste trabalho de evangelização nas comunidades, pois através dele podemos colher bons frutos, a exemplo da vocação de um de seus moradores, o seminarista Paulo Henrique, que hoje encontra-se no Seminário Santo Antônio (JF). A Comunidade está localizada na Estrada Real, a 5 km da BR 040, e através dos marcos ali fincados é possível conhecer um pouco de sua história. Fonte: Dados disponibilizados por Glória e Zilda- Comunidade Santo Antônio (Patrimônio dos Paivas).

    Ana Maria Marques Dias - Divisão de Arquivo Público e Patrimônio Cultural


    História de Vida de Santo Antônio


    Topo da Página